BOLSA FAMÍLIA | Governo quer ampliar o número de beneficiários, confira

Para tentar dar uma resposta ao problema social criado pela crise da covid-19, o governo está preparando uma reestruturação do Bolsa Família. A ideia é atualizar o valor do benefício e ampliar o número de famílias atendidas pelo programa. Porém, a medida não será suficiente para atender todos os brasileiros que começaram este ano sem auxílio emergencial e sem emprego, pois esbarra em restrições orçamentárias.

A reestruturação do Bolsa Família está sendo preparada pelo Ministério da Cidadania, cujo titular, o ministro Onyx Lorenzoni, reuniu-se com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, ontem. E deve ser objeto de uma medida provisória ainda neste mês. É grande a pressão para que o governo prorrogue o auxílio emergencial ou amplie o Bolsa Família para atender os vulneráveis que ainda não estão no programa, mas o Executivo tem dito que não pode mais pagar o auxílio emergencial agora que o estado de calamidade pública e o Orçamento de Guerra chegaram ao fim.

Ontem, Bolsonaro reforçou que o governo não tem condições de fazer do auxílio emergencial um programa permanente. “Vamos pagar para todo mundo R$ 5 mil por mês e ninguém trabalha mais, fica em casa. O homem do campo também vai sair do campo e vai para a cidade, quero ver quem vai produzir”, ironizou o presidente, ao ser questionado sobre o assunto por um apoiador, na saída do Palácio da Alvorada.

A ideia em estudo é ampliar o Bolsa Família. Para isso, o Executivo prevê a inclusão de mais 300 mil famílias no programa, o que elevaria de 14,2 milhões para 14,5 milhões o rol atendidas pelo programa. Já o valor do benefício, que está em R$ 190 desde o governo de Michel Temer, deve passar para R$ 200 mensais. E o benefício poderá ser usado de forma digital, como aconteceu com o auxílio emergencial, pelo aplicativo Caixa Tem.

Os ajustes são tímidos se comparados aos planos iniciais de Bolsonaro, que, no passado, tentou criar o Renda Brasil, com benefício mensal entre R$ 247 e R$ 300 para as 14,2 milhões de famílias que já recebem o Bolsa Família e também para parte dos 38 milhões de invisíveis descobertos pelo auxílio emergencial. As restrições orçamentárias fizeram o presidente adiar o plano de criar o próprio programa social.

Para reestruturar o Bolsa Família, o governo está trabalhando com o orçamento de R$ 34,8 bilhões destinado ao programa pelo Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa). O valor é superior aos R$ 29,4 bilhões de 2020 e, segundo os cálculos do Ministério da Economia, poderia ampliar para 15,2 milhões o número de famílias atendidas se o programa continuasse nos moldes atuais. Como a ideia é ajustar o valor do benefício, a capacidade de atendimento ficou menor.

Fila de espera

Analistas dizem, porém, que a medida não será suficiente para zerar a pobreza, nem a fila de espera do Bolsa Família. Diretor da FGV Social, Marcelo Neri lembrou que já havia pouco mais de 1 milhão de famílias aguardando o benefício no ano passado, e pontuou que o número de brasileiros que vivem em situação de pobreza aumentou no Brasil neste início do ano, o que deve pressionar ainda mais a fila de espera.

Por correiobraziliense.com.br / Foto reprodução internet gov.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s